quarta-feira, 21 de abril de 2010

Aos trinta dias do mês de maio do ano de dois mil e cinco…

Capítulo XVI

“Aos trinta dias do mês de maio do ano de dois mil e cinco, na EMEF Padre Antônio Vieira, à Rua Antonino Bacaeri, 171, Jardim Nordeste, São Paulo, foi fundada a Academia Estudantil de Letras Padre Antônio Vieira…”                                                                             (constou da Ata oficial) 

- E o que estava escrito no meu coração?

Estava escrito assim:

Pequenina, desde os dez anos de idade, quando você ensinou a ler a Maria Helena, sua amiguinha de sete anos apenas; desde quando você brincava com dezoito bonecas e bonecos de todos os tipos, a maioria de pano, que você colocava sentados, perto de folhas usadas dos seus cadernos de escola, simulando ser a professora deles e lhes passava pela manhã as lições aprendidas no dia anterior; desde muito antes, quando você respondia aos adultos, orgulhosa, que queria ser “pessessôra”; desde quando você ficava ao redor da mesa da cozinha com o seu pai, cantando e decorando livretos de cordel; desde quando você passava as manhãs de sábado, e feriados, e férias, na Biblioteca Municipal da Vila Maria; desde quando você começou a inventar, escrever e contar histórias para o seu irmão mais novo; desde quando…

Desde quando?

A realidade agora me mostrava um cenário de sonho: eu era realmente professora, estava acontecendo uma festa linda na minha escola, já havia chegado o fotógrafo do jornal “O Estado de São Paulo”, os acadêmicos estavam nervosos e lindos, toda a minha escola estava envolvida com o acontecimento; muita gente importante: representantes da Coordenadoria Regional de Educação Penha, escritores, jornalistas, professores de outras escolas, que a mestre de cerimônias, nossa Assistente de Direção, a Beth, apresentava e conduzia à mesa de honra, até anunciar a chegada do “Professor Doutor José Aristodemo Pinotti, Secretário Municipal de Educação de São Paulo!”

Hoje, confesso que não fui, pessoalmente, uma boa anfitriã para o senhor Secretário, pelo menos, não correspondi naquele momento com a intensidade que deveria, porque eu não conseguia desviar o meu foco dos alunos: era para eles que eu havia sonhado tudo aquilo. Certamente era por eles que o dr Pinotti estava ali também, por isso achei que me compreenderia, e me compreendeu…

Na hora do discurso, o dr. Pinotti não se cansou de elogiar os alunos, de parabenizar a escola pela iniciativa e, num dado momento, segredou-nos que era amante das letras, que possuía dois livros de poesias de sua autoria, com os quais haveria de nos presentear depois. Após a cerimônia, deixou registrada no nosso livro de atas a seguinte mensagem:

“ESTA ESCOLA É UM POEMA!”

                                      dr Pinotti

                                   JOSÉ ARISTODEMO PINOTTI

                                                 1934 – 2009

Diante de seus familiares e dos ilustres convidados, os vinte e cinco jovens tomaram posse de suas cadeiras literárias e se tornaram efetivamente acadêmicos. Um a um, eram chamados ao palco e compartilhavam com os ouvintes um pequeno trecho da obra dos seus autores.

Contradizendo a minha ideia inicial de compor a lista com autores clássicos e de renome da Língua Portuguesa, já iniciei a experiência fazendo duas concessões: a cadeira de Pablo Neruda foi a escolha de uma menina recentemente chegada da Bolívia, a Laurinha, muito tímida, e que só consegui motivar, incentivando-a para participar da AEL. A outra concessão foi para o aluno Cleiton, que , aos 10 anos, já conhecia  muitos livros do Sidney Sheldon: “minha mãe, antes de morrer, lia para mim os romances dele...”

As emoções desse dia são indescritíveis! Lembro-me de ter comentado com a escritora Eliane de Araujoh, autora do livro “Histórias para sua criança interior” sobre a intensidade profunda desse meu sentir e ela me esclareceu, dizendo que a minha alma, de tão plena, não estava cabendo em mim…

Foi isso mesmo!

OS PRECURSORES:

Cadeira nº 1 - Padre Antônio Vieira - Rafael Pereira dos Reis

Cadeira nº 2 - Adélia Prado - Amanda Caroline Lopes 

Cadeira nº 1 - Padre Antônio Vieira - Rafael Pereira dos Reis 

Cadeira nº 2 - Adélia Prado - Amanda Caroline Lopes 

Cadeira nº 3 - Alphonsus Guimarães - Amanda de Souza 

Cadeira nº 4 - Carlos Drummond de Andrade - Rodrigo Duarte 

Cadeira nº 5 - Casemiro de Abreu - Larissa dos Santos 

Cadeira nº 6 - Castro Alves - Jonatha Gomes de Souza 

Cadeira nº 7 - Cecília Meirelles - Nayara Rocha Brito 

Cadeira nº 8 - Clarice Lispector - Catarina Queiroz

Cadeira nº 9 - Fernando Pessoa - Thairine de Santana

Cadeira nº 10 - Ferreira Gullar - Jéssica Silva Pereira 

Cadeira nº 11 - Gonçalves Dias - Isabela de Brito Vieira 

Cadeira nº 12 - Guilherme de Almeida - Jonatas Marcelino

Cadeira nº 13 - Jorge Amado - Nayara Artuzo Evangelista 

Cadeira nº 14 - José de Alencar - Vitória Aguilar Silva

Cadeira nº 15 - Luiz Vaz de Camões - Raphael Rodrigues 

Cadeira nº 16 - Machado de Assis - Sabrina de Souza 

Cadeira nº 17 - Manuel Bandeira - Albert Cabral dos Santos 

Cadeira nº 18 - Mário Quintana - Beatriz dos Santos 

Cadeira nº 19 - Monteiro Lobato - Gabriel de OLiveira

Cadeira nº 20 - Olavo Bilac - Rafaeli Chacon Amaro 

Cadeira nº 21 - Pablo Neruda - Laura Condori 

Cadeira nº 22 - Paulo Leminski - Karoline Messias Santos 

Cadeira nº 23 - Pedro Bandeira - Luan dos Santos 

Cadeira nº 24 - Sidney Sheldon - Cleiton Gonçalves

Cadeira nº 25 - Vinícius de Moraes - Jéssica Félix da Silva 

2 comentários:

  1. Parabéns querida Suelizinha e todos integrantes da AEL pelo novo blog. Fico muito feliz em ver que o número de escolas com AEL cresce a cada dia ! Bj grande para todos,
    Maria Rehder

    ResponderExcluir
  2. Saudades do Caríssimo!

    ResponderExcluir